Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Assis Chateaubriand

Acompanhe:

Apaixonado por cerveja, empreendedor do oeste do PR transforma hobby em negócio

  “Faço cerveja, há sete anos em casa, na panela”, conta o empreendedor Leonardo Zanzotte Calvelhe, de Assis Chateaubriand. De volta ao Brasil, depois de uma temporada de seis anos no Japão, Zanza, como é conhecido pelos amigos, resolveu que era o momento de aumentar a produção e levar ao mercado a sua própria receita de cerveja artesanal, atualmente a única do porte na região. A técnica e receita estavam dominadas, mas ainda lhe faltava saber como começar.

 “Sempre soube que o Sebrae apoiava os empresários e, quando amadureci a ideia de abrir a empresa, não tive dúvidas: procurei a entidade para me ajudar a transformar esse sonho em realidade. Minha primeira consultoria foi sobre planejamento financeiro em 2014 e, sem ela, acho que não teria começado com o ‘pé direito’. Hoje vejo que se eu tivesse feito do meu jeito, sem orientação, não daria certo”, recorda o empreendedor.

 O divisor de águas, segundo ele, foi o levantamento de dados para o planejamento financeiro antes da abertura da empresa. “Como juntei dinheiro trabalhando pesado no Japão, justamente para voltar ao Brasil e abrir a empresa, a intenção era investir em uma ‘planta’ (local completo para a produção, envase, armazenagem e distribuição da cerveja artesanal) para a microcervejaria. Entretanto, pesquisando o mercado, fornecedores, maquinários, vimos que o modelo era inviável para começar.”

 Quando se faz um planejamento, orienta o consultor do Sebrae/PR, Willian Braga Tomaz, é comum o empreendedor levar um “choque de ideias”. “É nesse momento que o empreendedor consegue ver claramente o seu negócio, se é viável ou não. E isso pode acabar indo contra o que ele achava que seria o melhor. Tirar da ideia e colocar no papel é a melhor forma de visualizar a empresa no futuro. Esse planejamento auxilia nas decisões, que são tomadas com os pés no chão, não no ‘achômetro’, maximizando, assim, as chances de acerto”, indica o consultor.

 O aprendizado trouxe mais cautela para Zanza. “Os dados do planejamento me deram um ‘norte’ para correr riscos mais calculados. Assim, nos baseamos em um modelo que existe muito na Europa, no qual microcervejarias terceirizam a produção para outras marcas que não possuem uma ‘planta’, como a minha. Com isso, meu investimento inicial caiu quase 90%. O primeiro ‘lote’ de cerveja, mil litros, chegou no início de julho e já vendemos quase tudo”, observa Leonardo Zanzotte Calvelhe.

Para a presidente da Aciac, Sueli Barbiéri, o Ponto de Atendimento tornou-se peça-chave para o fomento ao empreendedorismo. “Atendemos não só quem já é empresário, mas todos aqueles que pretender empreender e isso é ótimo para o desenvolvimento da cidade. Costumo dizer que com planejamento, análise e projeto de viabilidade da empresa antes mesmo de abrir, a empresa tem muito mais chances de competir no mercado”, destaca.

Enquanto entidade associativa de empresários, complementa Sueli, a Aciac se fortalece com as soluções oferecidas por meio das consultorias, treinamentos, palestras e demais ações do Sebrae/PR. “Essa união, da Aciac com o Sebrae, acaba aproximando os empreendedores e empresários da instituição, fortalecendo-a”, assinala.




<< Voltar


<< Voltar


Cadastre-se em nossa newsletter